O CEL NO MANUAL DE PORTUGUÊS
Inserido em 2010-01-11  |  Adicionar Comentário
O programa de português atribui um papel importante à compreensão dos mecanismos da língua, o que confere ao CEL, tanto no 3.º como nos demais ciclos de ensino, um particular relevo.

De facto, e tal como preceitua o Programa, esta competência envolve duas vertentes essenciais: “o conhecimento sobre os factos da língua e a terminologia que os designa e a sua mobilização em situações de uso, ou seja, o seu reinvestimento nas restantes competências.”(NPPEB, pág.151) Pretende-se, portanto, que o aluno vá progressivamente transformando a sua gramática implícita (o seu conhecimento intuitivo da língua) num saber organizado e explícito, que poderá  transpor para situações concretas tanto em momentos de aprendizagem como em contextos reais de comunicação quotidiana.

O processo de reflexão sobre a língua deverá ser desenvolvido através de actividades que se apoiem nos conhecimentos já adquiridos, sustentadas no princípio da progressão, e cuja consolidação se fará através de um trabalho articulado com os domínios da oralidade, da leitura e da escrita.

O programa alerta ainda para a necessidade e importância de haver, neste processo de consolidação de saberes, momentos específicos de treino na aula em que as questões do conhecimento explícito da língua são tratadas autonomamente.

No nosso manual, procurámos que o processo de reflexão sobre a língua se articulasse com as diversas competências.


No caso da leitura, essa articulação faz-se não apenas através de linhas orientadoras que a enunciam explicitamente em cada abordagem de um texto (ex: “Práticas de compreensão de leitura e de conhecimento explicito da língua”), mas sobretudo pelo reinvestimento de conteúdos linguístico-gramaticais trabalhados em textos ou sequências anteriores.

Esse reinvestimento ocorre tanto através de instruções específicas destinadas a conduzir ao reconhecimento de palavras ou estruturas gramaticais (por exemplo, conjunções/locuções subordinativas) como a solicitar a sua imediata aplicação e consolidação, através do oral ou da escrita. Ocorre ainda através do tratamento, ao nível do texto, dos elementos linguístico gramaticais que promovem a sua coerência e coesão - «relações intratextuais» na designação do programa.

O recurso que se anexa é um exemplo de uma actividade CEL, relativo à coerência e coesão textuais.

Dê-nos a sua opinião sobre este tema e sobre a pertinência de incluirmos no nosso projecto actividades semelhantes à do anexo, usando os links «COMENTAR» e «VOTAR».


A Equipa
Bookmark and Share
Para alcançar todos os saberes ligados à competência da leitura é necessário um grande trabalho com o Conhecimento Explícito da Língua que será o principal suporte nas diferentes tarefas a realizar. Os conteúdos do Conhecimento Explícito da Língua são os alicerces indispensáveis ao aperfeiçoamento dos desempenhos nas restantes competências e também como objecto de aprendizagem em si mesmo. O professor tem de saber equilibrar o desenvolvimento de todas as competências. A reflexão sobre o CEL deve ser aproveitada para trabalhar e consciencializar os alunos da sua importãncia na disciplina de Português e também nas restantes disciplinas. Daqui se conclui que este trabalho tem de ser bastante organizado, sistemático e articulado entre as diferentes competências e os diferentes ciclos e até entre todos os professores das diferentes discipinas.