PRODUTIVIDADE NA AULA DE PORTUGUÊS
Inserido em 2010-02-22  |  Adicionar Comentário
1. É hoje facilmente aceite que uma grande maioria dos alunos não estuda em casa.
Por isso, deverão existir modos de os fazer estudar, memorizar, treinar na sala de
aula.

2. Não chega construir o conhecimento com os alunos na sala de aula. Nem todo
o conhecimento precisa de ser construído; nem todos os alunos precisam de construir conhecimento; muito conhecimento precisa de ser bem transmitido. E depois de compreendido, precisa de ser treinado, memorizado.

3. A memorização é hoje um imenso campo de batalha no Ensino Básico – na aula de Português também. Muitos responsáveis já perceberam que ou há memorização ali, ou
não há.

4. Estudos preparatórios do lançamento do novo programa mostram que os alunos que frequentam o primeiro ano de cursos universitários de Letras não estão tão preparados quanto o que seria desejável no que respeita ao CEL! A falta de conhecimentos que existia há 20 anos.

5. O programa, perante esta realidade, alerta para a necessidade de haver momentos de estudo do CEL não em contexto somente, mas centrado em conteúdos declarativos – os chamados «exercícios de gramática» na tradição escolar. Tradição que se perdeu com as consequências que hoje vemos.

6. Os nossos alunos não sabem porque não estudam ou estudam pouco, é certo, mas uma prática mais incisiva e estruturada na sala de aula poderia levar a melhores resultados.

7. A aula de Português é regulada pelos manuais. Estes não parecem, por norma, trazer exercícios CEL suficientes para que o treino e a memorização ocorram.
Os Cadernos de Actividades nem sempre contribuem eficientemente para isso. Ambas as publicações têm limites físicos.

8. Entendemos que fazer com que a aprendizagem da gramática ocorra, passa pela apresentação aos alunos de baterias de exercícios que, pela repetição e pelo treino, levem à memorização. Estes materiais podem ser criados pelos professores como complementos do manual. De preferência, em conjunto, como prática colaborativa.

9. Não se enveredando por este caminho, não se aumentando deste modo a produtividade na aula de Português, aceitando o manual como o grande regulador da aula de língua materna, corremos o risco de, daqui a 20 anos, termos os nossos alunos no mesmo nível actual de desconhecimento do CEL.

10. Apresentamos algumas baterias de exercícios elaborados para o 7.º ano no ano lectivo de 2007/2008…

Poderá aceder ao link do post Uma subunidade do manual... «Bilhete com foguetão», Ondjaki para se pronunciar a respeito da subunidade «Bilhete com Foguetão» que disponibilizámos para experimentação em sala de aula.

Para nos enviar a sua opinião sobre o tema «Produtividade na aula de Português» e os respectivos materiais anexos, poderá fazê-lo através do link «COMENTAR».

A Equipa
Bookmark and Share
Os alunos portugueses estão a chegar ao ensino universitário com défices a diversos níveis, o que não é exclusivo dos cursos de Letras. Há que repensar modelos de ensino, a nível estrutural. A iniciar no pré-escolar. Portanto, há outras conclusões a tirar, que não as gramaticais... Defendo o ensino do CEL isoladamante, desde sempre. A contextualização é feita posteriormente. Quanto aos recursos deixados, creio que mesmo os enunciados de diferenciação pedagógica poderão evitar repetições. E usar algumas imagens como suporte, seria mais enriquecedor. O essencial, contudo, está lá: o treino gramatical.